BrC quer parceria para desenvolver projeto de exportações

BrC quer parceria para desenvolver projeto de exportações

Em busca de apoio, equipe do Consórcio Brasil Central se reúne com representantes da Apex para apresentar projeto de unificação das exportações

O projeto é promissor: unificar ações e aumentar o volume da exportação de produtos dos estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rondônia, Goiás, Maranhão, Tocantins e o Distrito Federal. Para que de fato a ideia se concretize a equipe do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento do Brasil Central (BrC) busca apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex).

Nessa segunda-feira (5), às 16h, a diretora de planejamento e portfólio de projetos Gilsa Costa e a assessora Érika Carvalho do BrC, junto com o representante da empresa de assessoria Macroplan Rodrigo Souza, se reuniram com as representantes da Apex Flávia Egypto,  Coordenadora de Projetos Setoriais, e Adriana Rodrigues, Coordenadora de competitividade da agência, na sede da agência. O objetivo da reunião foi apresentar o consórcio e o projeto Estratégia Unificada de Exportações (BrC Exportações).

Durante o encontro, após explicar sobre o consórcio e o projeto, a diretora de planejamento apresentou os dez produtos pré-selecionamos que serão foco das principais estratégias de exportação do grupo. Flávia e Adriana afirmaram que a agência já tem experiência em desenvolver trabalhos com a grande maioria dos produtos apresentados, o que a equipe do BrC considerou como uma boa notícia.

Segundo Gilsa, o auxílio da Apex é importantíssimo principalmente na atual etapa do projeto que é a construção dos planos de ação. “Para começar a construir temos que identificar as questões de mercado como quais são as barreiras e dificuldades que o empresário tem hoje para exportar. Nesse sentido, a Apex é uma parceria extremamente importante, uma vez que é a responsável pela promoção a exportação do Brasil”.

“Eles têm também muito material de inteligência comercial, que a gente pode utilizar para traçar as estratégias e os planos de ação para os produtos”, ratifica Rodrigo Souza. Além disso, a agência desenvolve programas que podem somar e ajudar no projeto do consórcio. Um exemplo é o Projeto Extensão Industrial Exportadora (PEIEX) que qualifica empresas para seminários, rodadas com tradings e missões internacionais. “Uma boa notícia é que existe também uma gerência de agro e a Apex está dando uma ênfase grande ao agronegócio brasileiro”, opinou.

União para fortalecer

Criado em 2017, o projeto Estratégia Unificada de Exportações é estruturado em dois eixos: identificação dos principais produtos com potencial de exportação e a construção de uma agenda de exportações unificada. Ele tem por objetivo principal aumentar a influência dos interesses de exportações de toda a região do BrC e fortalecer o posicionamento do bloco em futuras negociações além de criar mecanismos de acompanhamento de negociações comerciais.

Após a construção de uma agenda unificada e da seleção dos produtos, a pretensão é iniciar rodadas de negociações e alcançar mercados utilizando o consórcio como um bloco econômico. A previsão é que essa parte do projeto seja iniciada ainda este ano. Espera-se que desta forma, os investidores sintam-se mais atraídos e incentivados a fechar negócios e firmar parcerias com os entes federativos do Consórcio.

Ações para decolar o projeto

Após a reunião, a equipe do BrC traçou algumas atividades que precisam ser trabalhadas. A primeira delas é entrar em contato com uma lista de contatos fornecida pela agência com o objetivo de conseguir mais informações sobre o mercado de cada produto selecionado. Essa ação visa dar mais subsídio a construção dos termos de ações. Além disso, será necessário um estudo para traçar formas de conquistar aporte financeiro.

Outras reuniões com setores da Apex que possuem projetos correlacionados aos que são desenvolvidos pelo BrC como o setor de inteligência comercial, o responsável pela negociações voltadas para o agronegócio e investimentos também podem ser necessárias de acordo com o andamento do projeto.