Brasil Central quer transpor fronteiras

Brasil Central quer transpor fronteiras

Estados buscam criar agenda única para fortalecer as exportações e ações comerciais com outros países

Com a meta de viabilizar a estratégia de unificação das exportações, o consórcio Brasil Central promove uma série de iniciativas para unir ideias e grupos de estudos em que os representantes dos sete estados participantes do bloco possam contribuir e participar. O Consórcio Brasil Central é um bloco de desenvolvimento social, econômico e estratégico formado por Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Tocantins, Rondônia e Maranhão e foi criado em 2015.

Os principais objetivos do consórcio em unir as estratégias de exportação são aumentar a influência dos interesses exportadores da região nas posições negociadoras brasileiras e criar mecanismos de acompanhamento das negociações comerciais com o objetivo de fortalecer o posicionamento do consórcio em futuras negociações.

Além disso, esta iniciativa busca melhorar e garantir que os produtos produzidos pelos estados tenham condições de acesso aos mercados internacionais e apoiar a redução das distorções no comércio internacional, geradas pelos subsídios agrícolas em países desenvolvidos e em desenvolvimento. O consórcio também defende a liberalização do comércio de serviços e investimentos, que são estratégias importantes para a modernização e atualização tecnológica dos setores exportadores da região.

Para que isso se concretize, o consórcio desenvolve uma agenda internacional do Consórcio Brasil Central com foco nos temas comércio e relação entre comércio e o meio ambiente e clima. Além disso, o bloco também elabora mecanismo de monitoramento das negociações internacionais.

O grupo também está definindo estratégias de desenvolvimento exportador para seis produtos da região do consórcio e estabelecendo metodologias de referência para futura extensão estratégica  de desenvolvimento das exportações a outros produtos.

Primeiros passos

Antes de ações concretas, o consórcio promove grupos de estudos e trabalho para o fortalecer o entendimento das condições de mercado e fortalecimento de estratégias. Inicialmente, o grupo de trabalho estuda as relações comerciais e a relação entre comércio, clima e meio ambiente, formas de diversificar as exportações regionais e elaboração de mecanismo de monitoramento das negociações internacionais.

Workshop faz parte de uma série de medidas que visa a viabilização da unificação das exportações. Foto: Gilberto Figueira

 

Um exemplo disso foi a realização de workshop que ocorreu em 29 de novembro no auditório da FECOMÉRCIO em Brasília. Coordenado pela Diretora de Planejamento e Portfólio de Projetos BRC Gilsa Costa, o Workshop de Unificação das Exportações do Brasil Central teve como objetivo alinhar o conhecimento sobre os esquemas de integração internacional e definir o tema e a área geográfica de atuação da agenda.

Junto com o consultor sênior da Macroplan Gilberto Figueira, e os técnicos da mesma empresa Cláudio Porto, Sandra Polónia Rios, e Pedro da Motta Veiga, os representantes do Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Tocantins discutiram sobre as características e tendências das negociações comerciais e ambientais internacionais, os atores relevantes nas negociações comerciais, as atuais limitações da agenda do Brasil para exportações e as vantagens que a união dos estados pode oferecer.

 

Marco inicial

O desenho das estratégias de atuação do bloco para o fortalecimento e unificação das exportações começou efetivamente em 31 de outubro, em encontro que reuniu representantes dos sete estados que participam do consórcio além de representantes de entidades ligadas ao setor produtivo de cada estado. Na ocasião foi sugerido como pauta principal a definição de produtos para exportação e elaboração de mecanismo de monitoramento de negociações internacionais.

Próximos desafios

Atualmente o grupo de trabalho desenvolve a delimitação do escopo e a proposta da agenda internacional. Além disso, a madeira em estado bruto, serrada, compensada ou trabalhada, embutidos de carne, colas, farmacêuticos, molhos, temperos, produtos hortícolas conservados, sucos de frutas, pescados e obras de couro foram os produtos escolhidos para receberem prioridade na estratégia de exportação do consórcio.

As próximas etapas do bloco será o mapeamento das barreiras à exportação dos produtos selecionados, mapeamento da demanda mundial, elaboração de Proposta de Agenda internacional e consolidação da versão final da agenda. Todos esses processos estão previstos para serem finalizados em meados de março de 2018.