BrC conhece a imensidão do Porto de Itaqui

BrC conhece a imensidão do Porto de Itaqui

Conselheiros, secretários, assessores e equipe técnica do consórcio conheceram as instalações do porto localizado em área estratégica para o bloco de desenvolvimento

Durante a reunião do Conselho Administrativo do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento do Brasil Central (BrC) que ocorreu nos dias 9 e 10 de novembro em São Luís (MA), conselheiros, assessores e equipe técnica foram conhecer o Porto do Itaqui. Iniciando as operações em 1974, o porto atende hoje uma imensa demanda de mercadorias que chegam de todos os estados do nordeste e de regiões do centro oeste, norte e sudeste.

Por ser o único estado do BrC que possui saída para o mar, o estado do Maranhão, que entrou no consórcio em setembro de 2017, é uma região estratégica para fortalecer as ações de exportações do bloco de desenvolvimento econômico e social. Além do Maranhão, compõe o consórcio os estados de Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins e o Distrito Federal.

Foto: Governo do Maranhão

No primeiro momento da visita, que ocorreu no segundo dia da reunião, a comitiva do consórcio foi recebida por Ted Lago, presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP). Lago iniciou a visita no auditório, explicando ao grupo a importância do porto para o Brasil. Depois, o grupo seguiu para acompanhar os procedimentos, conhecer a estrutura e as operações.

Leonardo Jayme, Secretário Executivo do BrC, a conselheira Leany Lemos, Secretária de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão do Distrito Federal, o conselheiro Antônio Nunes, Secretário de Governo do Estado do Maranhão e o Procurador do Estado de Goiás e o consultor jurídico do BrC Murilo Nunes Magalhães participaram da visita. Além deles, estavam presentes os consultores que auxiliaram nos trabalhos desenvolvidos no Conselho de Administração no dia anterior a visita ao porto. Suplentes e equipe técnica do BrC também fizeram parte da comitiva.

Grande parte do volume de produtos movimentados no porto são de produção de grãos, principalmente a exportação de soja e milho, e de produtos petrolíferos, como a importação de diesel e gasolina. A grande vocação do Itaqui é movimentar granéis sólidos e líquidos. Por isso, o Porto do Itaqui é fundamental para o fortalecimento da região que possui grandes produções de soja, milho e vários outros produtos.

Além disso, ao se pensar no projeto BrC exportações, que visa o fortalecimento de relações comerciais com outros países entre os estados que participam do bloco, o porto pode auxiliar a estreitar relações com União Europeia, Suíça, Noruega e Coreia, regiões estratégicas para o consórcio.

Porto do Itaqui

Segundo informações da EMAP, o porto atende economicamente a uma área de 20 milhões de hectares. Por conta das conexões com ferrovias de grande importância, ele é considerado como uma excelente opção de escoamento de mercadorias. Um exemplo de disso é a conexão com a Estrada de Ferro Carajás, que é interligada com a Ferrovia Norte-Sul e Transnordestina.

Desde de fevereiro de 2001, o porto é administrado pela EMAP. Antes ele era governado pela Companhia Docas do Maranhão (Codomar), criada em 28 de dezembro de 1973, que era subordinada ao Governo Federal. Ao todo, além de um novo píer petroleiro, o Itaqui possui sete braços operacionais com profundidades que variam de 12 a 19 metros. Dessa forma, navios de grande porte podem atracar com tranquilidade no porto.

Localização

O porto fica em uma região que é considerada a última fronteira agrícola do Brasil. Formada pelos estados de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, a região é conhecida por MATOPIBA. Ele pode ser acessado pelas rodovias BR-135 e BR-222 que podem ser acessadas por outras rodovias federais, como as BRs 316, 230, 226 e 010, ou estaduais, como a MA 230.

Ponto estratégico para o Brasil Central

Em julho de 2017 o Estado do Maranhão foi recebido como mais um ente federado do Consórcio Brasil Central. A entrada do estado para o bloco trouxe mais força e possibilidades de desenvolvimento para as regiões do bloco. O Porto do Itaqui é um exemplo disso. Ele oferece aos estados do bloco uma nova rota de escoamento de mercadorias, o que pode fortalecer fortalecer relações comerciais com outros países e aumentar os exportações.

Foto: Governo do Maranhão

O porto tem importância principalmente para a estratégia do projeto BrC Exportações. Visando uma presença maior dos entes federativos do bloco no mercado exterior, a iniciativa pretende firmar acordos comerciais e multilaterais com outros países, além de valorizar e aumentar as exportações de produtos que são destaques na produção regional do consórcio.

Expansão

A EMAP anunciou um projeto de ampliação do porto. Será realizada a construção de dois grandes terminais. Um será o de cargas gerais, voltado para operações com celulose. O outro será destinado a operações com cargas de fertilizantes. Também serão feitos um berço, um pátio de contêineres e será instalado na área primária um sistema de combate a incêndio.

Além disso, está previsto para março de 2018 a inauguração do braço 108. Estima-se que com o início das operações neste braço, a capacidade de movimentação de granéis líquidos aumente 40%, ou seja, 4 milhões de toneladas por ano.
Ano próspero

Segundo a EMAP, o ano de 2017 foi repleto de prosperidade para o Porto do Itaqui. A empresa registrou um crescimento de movimentação de 13% em relação a 2016, o que significa operações com 19,1 milhões de toneladas de cargas. Os recordes históricos na exportação de milho (194%) e soja (60%) e na importação de fertilizante (18%) ajudaram na construção desse resultado positivo.

Para ter mais informações sobre o Porto do Itaqui acesse -> www.portodoitaqui.ma.gov.br